Blog Rômulo Lima

O pai, a mãe e a filha do casal, de 9 anos, morreram.
A outra filha do casal, de 3 anos, foi socorrida em estado grave.
Um acidente entre dois carros, ocorrido no final da tarde deste sábado (27), causou a morte de três pessoas da mesma família, na BR-232, próximo ao município de Salgueiro, no Sertão de Pernambuco. O homem, de 39 anos e a mulher, de 34 anos, morreram ainda no local do acidente. As duas filhas do casal, de 9 anos e de 3 anos foram socorridas em estado grave. A menina de 9 anos morreu ao dar entrada no hospital.

De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o acidente ocorreu no KM 458, a cerca de 50 quilômetros de Salgueiro. O carro de passeio, com placa de Araripina, onde seguia a família, colidiu de frente com uma caminhonete, com placa de Caruaru. A PRF informou que pelas marcas de freio na via, a caminhonete teria invadido a pista contrária, causando a colisão.

A PRF disse ainda que não há como precisar se a colisão ocorreu durante uma ultrapassagem e que somente a perícia do Instituto de Criminalística pode afirmar o que de fato ocorreu.

As duas crianças foram socorridas para o hospital de Salgueiro. A filha do casal, de 9 anos, não resistiu a gravidade dos ferimentos e morreu durante o atendimento médico. A outra vítima, de 3 anos, teve um corte na cabeça e o quadro de saúde é considerado estável. Segundo o Corpo de Bombeiros de Salgueiro, as duas crianças estavam nos assentos adequado para a idade.
O motorista da caminhonete fugiu do local sem prestar socorro as vítimas. Testemunhas que presenciaram a colisão, disseram a PRF que após o acidente, o homem saiu do carro com algumas escoriações e fugiu pela Caatinga. Dentro do veículo a Polícia Cientifica encontrou uma carteira de motorista, mas ainda não é possível afirmar quem estava conduzindo o carro no momento do acidente.

Os corpos das vítimas foram liberados na manhã deste domingo (28) e encaminhados para Ouricuri, também no Sertão de Pernambuco.

Taisa Alencar
Do G1 Petrolina

Em Bodocó, a Justiça Eleitoral julgou e condenou o atual prefeito, candidato à reeleição pelo PSB, Danilo Rodrigues e seu partido por propaganda eleitoral antecipada. A decisão foi publicada nessa segunda-feira (23) e resultou em aplicação de multa no valor de R$ 10 mil. 

A multa diz respeito a Propaganda Extemporânea, que ocorreu no dia 8 de agosto, onde os representados praticaram, durante a feira livre de Bodocó, propaganda eleitoral antecipada, mediante distribuição de adesivos, "paredão" de som que tocava as músicas do partido, cavalete com o número do candidato e pessoas vestidas com as cores da agremiação política, intitulando o movimento como: Pit Stop. 
Como meio de prova, a assessoria jurídica do partido Democratas (DEM) – Bodocó, que tem como presidente o ex-prefeito do município, Brivaldo Alves, impetrou ação, anexando fotos e vídeos do evento gravados em mídias, divulgados em redes sociais. 

De acordo com o juiz, Rodrigo Fonseca Lins de Oliveira, houve flagrante da violação das regras eleitorais. O movimento demonstrou de forma clara a busca por voto do eleitor, caracterizando-se como pedido explícito de voto, configurando-se como propaganda eleitoral antecipada, visto que a data para início da campanha eleitoral só seria permitida após o dia 15 de agosto. 

Em tempo – Esta não foi a primeira vez que Danilo Rodrigues foi autuado. Recentemente, seus correligionários picharam muros e árvores, no distrito de Feitoria, fazendo referência ao número de seu partido, além de utilizarem palavras de baixo calão contra o candidato da oposição Túlio Alves e seu pai, Brivaldo Alves. O juiz determinou que o socialista apagasse as pichações no prazo de 48 horas. 

A população de Bodocó enfrenta sérios transtornos relacionados à perturbação e sossego. São frequentes bombas, fogos e poluição sonora nos dias alusivos aos eventos partidários do candidato Danilo Rodrigues. Até mesmo escolas da cidade já foram prejudicadas devido a poluição sonora, impossibilitando atranscorrência normal de aulas. 

Ascom DEM Bodocó

Parque Aza Branca em Exu, PE, é administrado por ONG desde 1999.
Reserva financeira, que deve durar 6 meses, está mantendo parque aberto.
O maior acervo do trabalho e da vida de Luiz Gonzaga encontra-se no Parque Aza Branca, uma espécie de museu que fica na cidade de Exu, no Sertão de Pernambuco. Devido a falta de recursos, dificuldades de manter as despesas com funcionários e a manutenção, o espaço poderá fechar as portas.

Desde o ano de 1999, o parque é administrado por uma Organização Não governamental (ONG), mas ela está tendo dificuldade de manter o funcionamento. “A ong tem dez funcionários de carteira assinada, o que dá uma folha de pagamento de R$12 mil reais, quando você soma todas as despesas fixas, com outras despesas que nós temos, a gente soma R$20 mil reais de despesas fixas por mês. Estamos arrecadando em torno de R$10 a R$12 mil reais”, explica o presidente da Ong Parque Aza Branca, Júnior Parente.

Segundo Júnior, o governo do estado que sempre foi um dos parceiros na manutenção do local, não está mais tão presente como antes. “A parceria do governo estadual, nesses últimos anos, vem sendo quase que exclusivamente para promoção de festas”. Uma reserva financeira dos tempos em que o número de visitas era maior é que está mantendo o parque aberto. Mas, o dinheiro deve acabar em seis meses. A funcionária Milena da Costa disse que houve queda no número de visitantes do parque. “De um ano pra cá ,o movimento caiu mais de 50%”, revela.

Uma das fontes de renda do parque é a vendas de lembrancinhas e cobrança da entrada que custa R$4. “A gente passa aqui pra reviver essa história tão bonita de Luiz Gonzaga e comprar essa lembrancinha para levar para os nossos familiares e amigos”, conta o empresário Sandro Pereira.

No parque fica a casa que Luiz Gonzaga morou com os móveis da época, o mausoléu, onde o corpo do rei do baião está sepultado. Além da réplica da casa de reboco, onde o músico nasceu e o pé de juazeiro, cantinho de muitos encontros.

Do G1 Petrolina

Tribunal também anunciou que suspendeu julgamentos de gestores.
Medida, anunciada nesta quarta (17), foi motivada por decisão do STF.
O Tribunal de Contas de Pernambuco (TCE-PE) se posicionou oficialmente, nesta quarta-feira (17), contra a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que deu para as câmaras municipais a competência para julgar contas de gestão e de governo dos prefeitos e retirou essa incumbência dos tribunais de contas de todo o país. Com isso, o TCE resolveu excluir da lista dos 'ficha suja' enviada à Justiça Eleitoral os nomes de todos os prefeitos e ex-prefeitos que tiveram contas rejeitadas nos últimos oitos anos por decisão da Corte.

O presidente do TCE-PE, Carlos Porto, leu uma nota oficial durante a solenidade em que apresentou oficialmente o posicionamento do tribunal e chamou a decisão do STF de "retrocesso”, uma vez que fragiliza o controle externo e torna sem efeito a Lei da Ficha Limpa. "[Isso] vai de encontro à expectativa da sociedade por um Brasil mais ético e transparente, além de representar uma anistia aos que se apropriaram indevidamente do dinheiro público”, afirmou.

O conselheiro Dirceu Rodolfo explicou que a lista elaborada pelo TCE e pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE-PE) tem cerca de 1.600 nomes de políticos tiverem suas contas relativas ao exercício de cargos ou funções públicas rejeitadas por irregularidade insanável, ou seja, que configuraram ato doloso de improbidade administrativa. Desse total, pelo menos 300 são prefeitos e ex-prefeitos. “Acredito que uma parte deles será beneficiada por essa nova determinação do STF”, afirmou.

O conselheiro ressalta que, diante da retirada dos nomes desses gestores e ex-gestores, vai haver a “anistia” de R$ 76 milhões. Os valores são relativos a débitos e multas aplicadas pelo tribunal aos prefeitos e ex-prefeitos. “Desse total, mais de 90% tem relação com danos ao erário público”, observou Rodolfo.

Além de excluir os nomes de gestores e ex-gestores municipais da lista, o tribunal suspendeu o julgamento de todas as contas de prefeitos ordenadores de despesa em tramitação. A Corte pernambucana apontou ainda não considerar que as Câmaras Municipais estejam tecnicamente aparelhadas para julgar contas de prefeitos. Também afirma que espera que a decisão do STF seja revista mediante um Embargo de Declaração.

Do G1 PE

Mais de dez mil pessoas compareceram à Convenção Partidária. 
Túlio Alves foi recebido com festa pelo público.
As tentativas de atrapalhar e desmobilizar a população através de provocações foram inúmeras, mas a vontade dos bodocoenses prevaleceu. Bodocó assistiu à maior Convenção Partidária da história do município, realizada na noite dessa sexta-feira (05), no Olympius Clube. O azul tomou conta da cidade sertaneja e os nomes de Túlio Alves (DEM) e Edmilson Alencar (PRTB) foram homologados como candidatos a prefeito e vice-prefeito, respectivamente. 

Mais de dez mil pessoas compareceram à Convenção Partidária do Democratas (DEM), que tem como presidente o ex-prefeito Brivaldo Alves. Ali também aconteceram as convenções dos demais partidos aliados, que juntamente com o DEM, constituíram a Coligação Unidos por um Bodocó melhor. 

O palco foi composto pelos presidentes dos partidos: Zé Jacó (PTB - vice-prefeito dissidente da atual gestão), Zé Claudio (PSL), Elenilson de Sousa (PSC), Claudete Matos (PDT), além dos presidentes do PRTB, Edmilson Alencar e Brivaldo Alves (DEM). O líder do DEM na Câmara de Vereadores, Jorginho Furtado, pré-candidatos a vereador e o ex-prefeito Zé Bezerra também estiveram presentes. 

Brivaldo Alves destacou que o maior objetivo do grupo político é fazer Bodocó voltar a crescer e dar dignidade, principalmente a quem mais precisa. O ex-gestor defendeu os interesses da população e teceu críticas à atual gestão. “Não podemos ver Bodocó se acabar e ficarmos de braços cruzados. Nosso município precisa de mudança, por isso nosso grupo escolheu o nome de Túlio Alves para candidato a prefeito.” 
Túlio Alves foi recebido com festa pelo público. Em discurso emocionado, agradeceu ao povo pelo apoio e pelas demonstrações de carinho que vem recebendo. Falou de seu entusiasmo em dividir a chapa com seu companheiro, Edmilson Alencar. Expressou respeito e admiração à sua principal referência política: ¨Quero seguir o exemplo de Brivaldo Alves, meu pai, de forma honesta, íntegra, leal e comprometida com o povo de Bodocó.” 

Túlio destacou a situação na qual o município se encontra: “Hoje o bodocoense deixou de clamar por grandes obras para implorar por direitos básicos que foram desprezados pela atual gestão. Já presenciei a vergonhosa cena de crianças terem que empurrar um ônibus sucateado para tentar chegar à escola. Fora isso, ainda saem de casa com fome e chegam da escola com mais fome ainda por falta de merenda escolar.” 

Chegou a hora de retomar o desenvolvimento. Vamos em busca de um futuro próspero para os bodocoenses, em busca de oferecer saúde e educação de qualidade, assistência social voltada para os que mais necessitam e uma cultura de valorização”, afirmou.
Crédito das fotos: Leo Drone e Cell Filho

Missa aconteceu neste domingo (24) no Parque Nacional do Vaqueiro.
A missa foi celebrada pelo bispo Dom Magnus de Salgueiro.
A 46ª edição da Missa do Vaqueiro de Serrita, no Sertão pernambucano, lotou mais uma vez o Parque Nacional do Vaqueiro neste domingo (24). O evento é tradicional e começou após a morte de um vaqueiro famoso na região, que se chamava Raimundo Jacó. Um evento marcado pela fé que emocionou o homem forte do Sertão.

“Vaqueiro é um homem de fé, um homem de força, de coragem e de luta para lutar com a seca que estamos vivendo”, ressaltou o vaqueiro, Francisco Dias Paulo. Vestidos com gibão, perneiras, luvas e chapéu de couro, bem característicos dos vaqueiros, eles acompanharam o culto montados a cavalo e levaram alguns artigos para serem abençoados durante a celebração.

A missa foi celebrada pelo bispo da Paróquia Nossa Senhora da Conceição, da Diocese de Salgueiro, também no Sertão do estado, Dom Magnus. Também participaram da celebração os cantor Josildo Sá e Chambinho do Acordeon, além do Coral Aboios.

De acordo com o fundador da Missa do Vaqueiro, Pedro Bandeira, o evento tornou-se uma tradição e é um dos mais importantes do calendário cultural de Pernambuco. “Estamos colhendo os frutos que plantamos da fé, da humildade, da serenidade, da simplicidade, da pobreza e da bondade e da riqueza de espírito de Raimundo Jacó”, disse Pedro Bandeira.

“É uma emoção de estar aqui na Missa do Vaqueiro e ver a nossa gente resgatar a cultura que é nossa. Ver nossos amigos de longe e estar sempre resgatando a cultura mesmo debaixo de sol”, disse, emocionado, o vaqueiro Francisco Cordeiro.

Do G1 Petrolina
Tecnologia do Blogger.