Blog Rômulo Lima

Aos 87 anos, Thereza escreveu o livro à mão, durante quatro anos de pesquisas e entrevistas.
 
A história de fé da Igreja de São João do Araripe, no município de Exú, no Sertão pernambucano, é contada pela primeira vez no livro “Igreja de São João Batista do Araripe, Exu-PE – Sesquicentenário (1868/2018)”, de Thereza Oldam de Alencar. A obra, que será lançada na própria igreja no dia 23 de junho, véspera de São João, ao final da nona noite do novenário, remonta a trajetória do Barão de Exú, bisavô da autora, que construiu a igreja como pagamento de uma promessa ao santo, e relembra as tradições e festejos até os dias atuais. Aos 87 anos, Thereza escreveu o livro à mão, durante quatro anos de pesquisas e entrevistas.

“Fui juntando peças e ouvindo a voz da tradição. Entrevistei octogenários que guardavam importantes informações e fui vendo se formar, diante de mim, uma linda história de amor e fé. Foram quatro anos de pesquisa e peleja, andando, trabalhando e trabalhando. E, também, me baseei em o que minha mãe – nora do Coronel João Carlos, criado pelo Barão – escreveu”, conta Thereza.

A história começa com a chegada dos Alencar, vindos de Portugal, ainda no século XVII, e chega ao Barão de Exú,Gualter Martiniano de Alencar Araripe, nas fazendas Araripe e Caiçara. Com o “caos de dor” trazido pela epidemia de cólera no Crato, vizinho a Exu, entre 1862 e 1864, o Barão fez uma promessa a São João, para que a doença não se alastrasse por seu povo. Com a graça alcançada, o fazendeiro iniciou a construção da igreja, inaugurada na véspera do Dia de São João em 1868. Em seu testamento, deixou expresso que seus descendentes cuidassem da igreja.

Os 150 anos do Araripe também se entrelaçam com a vida de outro conhecido morador de Exu: Luiz Gonzaga. A bisavó do Rei do Baião se abrigou na Fazenda Caiçara, também do Barão, durante a peste de cólera. Foi na igreja que os pais de Gonzagão, Januário e Santana, se casaram. Gonzaga eternizou os 100 anos da igreja na canção “Meu Araripe”. Foi Thereza, a autora do livro, quem escreveu, inclusive, a apresentação do disco “São João do Araripe”, em 1968.

“Meu sonho é que a história dessa igreja seja disseminada por todos. Pelos devotos, pela nossa família, por Exu, por Pernambuco, pelo Brasil. É uma história simples e verdadeira e não pode ser esquecida. É um santuário de fé, patrimônio histórico e cultural do povo de Exu. Não é só um prédio bonito. Sua argamassa é feita de amor e fé”, conclui a autora.

Dividido em 12 capítulos, “Igreja de São João Batista do Araripe, Exu-PE – Sesquicentenário (1868/2018)” faz um passeio detalhados sobre esses 150 anos, misturando a história dos Alencar, dos Gonzaga, do município de Exu e do povoado do Araripe. Sua última parte, intitulada “Memorial Idílico do Araripe”, conta com depoimentos de 33 personalidades da região ou que têm uma relação de carinho com o lugar. Entre eles, o jornalista Francisco José e Dominique Dreyfus, biógrafa francesa de Luiz Gonzaga.

O livro tem prefácio escrito pelo advogado Dario Peixoto, filho de Thereza, e orelha da capa escrita pelo ator e humorista piauiense João Claudio Moreno. A contracapa tem autoria do marido da autora, Francisco Givaldo Peixoto de Carvalho, também escritor. E a orelha da contracapa, com perfil biográfico da autora, foi escrito pelo poeta e escritor cearense José Peixoto Júnior. 

Sobre a autora – Thereza Oldam de Alencar é mestra em Educação Básica, formada pelo Colégio Santa Tereza de Jesus, no Crato (CE), e doutora em Letras pela Faculdade de Formação de Professores de Petrolina (PE). Em 2011, publicou seu primeiro livro “Exu – Três séculos de história”. Condensou, ainda, em livros, memórias de seu pai, Antholiano Ayres Peixoto de Alencar, e de sua mãe, Maria Geralda de Alencar.

Ponte Rio Pequi, que liga Bodocó a Ouricuri, no Sertão de PE.
Foto: Rômulo Lima
De passagem pelo Sertão do Araripe nesta quinta-feira (14), o governador Paulo Câmara visitou o município de Bodocó, onde autorizou a construção de nova ponte sobre o Rio Pequi, que tem uma extensão de 45 metros, a antiga foi danificada pela cheia ocorrida em abril deste ano.

A ponte será demolida e uma nova será erguida no local. Com custo estimado de R$ 4 milhões, a obra beneficiará mais de 100 mil pessoas.

Durante a solenidade, o governador Paulo Câmara ressaltou que o Governo do Estado trabalhará para que a nova ponte seja concluída o mais breve possível.

Por Roberto Gonçalves

Panificadora vai oferecer variedades em pães, doces, bolos, biscoitos, salgados, sorvetes, cafés, bebidas e sucos naturais.
A segunda unidade da padaria Sabor Real foi aberto na manhã desta segunda-feira, 11, e já está em pleno funcionamento na rua Dr. João Pessoa no centro de Bodocó, (em frente ao Banco do Brasil). 

Com um ambiente moderno e climatizado a cidade passa a contar com um mais novo empreendimento comercial. A padaria Sabor Real vai oferecer diversas variedades em pães, doces, bolos, biscoitos, salgados, sorvetes, cafés, bebidas e sucos naturais.

Segundo o empresário e proprietário da padaria Valdiney Horas (popular Diney Cel), o grande diferencial será a qualidade do pão "francês" e a variedade dos itens para que possa atender às demandas dos clientes, que buscam produtos diversificados e saudáveis, proporcionando também um espaço agradável e agilidade no atendimento. 

A padaria Sabor Real vai funcionar de domingo a domingo no horário das 5h00 da manhã até ás 22h00.


 




O Complexo foi inaugurado em Ouricuri, no Sertão de Pernambuco. 
Unidade regional da Polícia Científica, em Ouricuri. (Foto: Aluisio Moreira)
Com o objetivo de fortalecer o serviço de investigação científica na região do Sertão do Araripe, foi inaugurada, em Ouricuri, no Sertão de Pernambuco, um Complexo da Polícia Científica. A unidade irá atender outros nove municípios da região do Araripe, que são Araripina, Bodocó, Exu, Granito, Ipubi, Moreilândia, Santa Cruz, Santa Filomena e Trindade.

Na nova unidade regional, funcionarão os serviços de perícia criminal, perícia médico-legal, identificação criminal e produção de retrato falado. Antes da instalação, esses serviços eram realizados em Petrolina. A população também poderá solicitar a emissão de RG no local. Além disso, o Complexo fará o atendimento especializado a mulheres e crianças vítimas de crimes sexuais.

Peritos criminais, auxiliares de perito, médicos legistas, auxiliares de legista e papiloscopistas atuarão no Complexo da Polícia Científica de Ouricuri. Ao todo, são 24 profissionais. O atendimento de perícia será feito todos os dias, 24h por dia. Os serviços de produção de retrato falado e emissão de RG estarão disponíveis de segunda a sexta-feira, em horário comercial. 

Por G1 Petrolina

O vereador Mikael Felix (PRTB) renunciou na manhã desta quarta-feira (13), ao cargo de vice-presidente da Mesa Diretora da Câmara Municipal de Vereadores de Bodocó, eleito vice-presidente em janeiro de 2017.

Na carta de renúncia que foi entregue ao presidente da câmara, o vereador justifica que a decisão que o levou a deixar o cargo de vice-presidente é de total cunho estritamente pessoal.

"Quero tornar público que hoje estou tomando a decisão que parte profundamente meu coração, mais na faculdade da vida aprendi que existe situações que a razão supera o coração, e hoje, tomei a decisão de deixar a cadeira de vice-presidente que ocupei desde o dia 01 de 2017. Estou saindo sem levar nenhum rancor, mais bastante chateado em saber que na política existe pessoas que não leva dentro de si um espírito de  lealdade, sinceridade, amizade, irmandade e fraternidade,"  destacou Mikael.
 
A atitude do vereador despertou rumores sobre a sua posição partidária, uma vez que saindo quem supostamente  assumiria seria a Vereadora Leninha Diniz.  No entanto o político afirma que sua atitude em nada há  relação com uma possível mudança partidária, afirmando que permanece apoiando o Prefeito Túlio Alves. 

Na ocasião, o vereador agradeceu a confiança e destacou que a renúncia não é uma fraqueza e sim uma forma de protesto contra o ambiente desarmonizado que hoje vive a Câmara de vereadores de Bodocó.

"Minha renuncia não é uma fraqueza e sim um protesto contra o ambiente desarmonizado que estamos vivendo, pois o meu espírito atingiu um determinado padrão que não suporta ambientes de sombras," finalizou. 

Agora, o presidente da casa, o vereador Dário Brito (PSL), tem até cinco dias para realizar uma nova votação e indicar o novo vice-presidente para a chapa.

Pesquisa Datamétrica mostra Paulo Câmara com 20%, Marília Arraes com 17% e Armando Monteiro com 14% das intenções de votos.
A pesquisa estimulada de primeiro turno para governador de Pernambuco apresenta um empate técnico entre os três primeiros pré-candidatos, Paulo Câmara, Marília Arraes e Armando Monteiro. O governador, do PSB, vem em primeiro lugar, com 20%, seguido da candidata do PT, com 17%, e do candidato do PTB, com 14%. Os demais pré-candidatos simulados na pesquisa, Júlio Lóssio, Danielle Portela e Coronel Meira, apareceram cada um com 2%, 2% e 1%, respectivamente. É o que mostra a pesquisa Datamétrica sobre as eleições deste ano, realizada entre 8 e 9 de junho.

Em um segundo exercício, especulou-se o cenário em que Marília Arraes não seria candidata. Mantém-se um empate técnico, mais uma vez com Paulo Câmara em primeiro lugar e, neste quadro, com 23% (veja gráficos ao lado). O candidato do PTB aparece em segundo com 19%. Os demais três incluídos permanecem nas posições do outro cenário.

Sobre a migração de votos de Marília: ao suprimir o nome dela na simulação de primeiro turno, metade dos seus eleitores não migra para ninguém, enquanto a outra metade se divide entre Armando Monteiro e Paulo Câmara, com preferência pelo senador. Dos que disseram que votariam nela, 49% responderam que anulariam seu voto, votariam em branco ou não votariam em ninguém. Armando Monteiro beneficia-se com a migração de 20% dos votos dela e Paulo Câmara com 13%.

Na simulação espontânea, em que o respondente não tem acesso aos nomes dos pré-candidatos, todos os três candidatos aparecem com muito menos menção: Paulo Câmara com 12%, Marília Arraes com 8% e Armando Monteiro com 4%. Na sequência, Júlio Lóssio foi lembrado por 2%, Coronel Meira por 1%, Danielle Portela por 1%.

Em cenários de segundo turno, exercitando as possibilidades entre os três principais pré-candidatos, Marília venceria Armando por 29% a 20%, portanto fora da margem de erro - que é de 4 pontos percentuais para mais ou para menos. Marília venceria Paulo com 28% contra 27%, o que constitui um empate técnico. Paulo venceria Armando com 28% contra 24%, novamente configurando empate técnico.   

SEGUNDO TURNO 

Em eventual segundo turno entre o governador e Armando, a migração do voto de primeiro turno de Marília é maior para o pré-candidato do PTB do que para o pré-candidato do PSB. Em cenário entre Marília e Paulo, o eleitor de Armando beneficia mais Marília do que Paulo: 44% preferem Marília, enquanto 24% preferem Paulo. Na hipótese de sair Paulo, seus votos se distribuem mais em favor de Marília: 31% migrariam para a candidata do PT e 19% para Armando. A frequência de eleitores de Marília que, diante de um cenário de segundo turno sem ela, disseram que não votariam em ninguém, chama a atenção. São 53% de eleitores que de alguma forma não votariam em nenhum dos dois candidatos.

“Estes não são resultados óbvios. Eles mostram que o eleitorado está mergulhado em motivações ideológicas e de insatisfação com a gestão que precisarão ser desvendadas por qualquer um que pretenda fazer prognósticos eleitorais este ano”, diz a sóciadiretora da Datamétrica, Analice Amazonas. 

Apesar dos cenários de empate técnico que se repetem ao longo da pesquisa, o pernambucano tem a expectativa de que Paulo será reeleito governador. 26% assim afirmaram, enquanto 12% apostam em Marília e outros 11% em Armando. Chama a atenção o fato de que 47% dos entrevistados preferem não fazer prognósticos.  

Dentre os três nomes mais fortes na disputa, o governador hoje é o mais conhecido: 49% consideram conhecê-lo bem, e outros 44% o conhecem de ouvir falar. Natural para um governador em seu quarto ano de mandato.

Armando Monteiro e Marília Arraes têm graus de conhecimento semelhantes, mas com o senador ligeiramente mais conhecido: 23% consideram conhecê-lo bem e 54% de ouvir falar. No caso de Marília, 20% dizem conhecê-la bem e outros 51% de ouvir falar. Marília, dos três, é a única novata em disputas majoritárias e recente na política. Portanto, a que tem mais potencial de crescimento derivado do aumento de conhecimento que ocorrerá na campanha. 

Veja a pesquisa clicando aqui.

Fonte: Diário de PE
Tecnologia do Blogger.