Blog Rômulo Lima

Em Pernambuco, 90% dos municípios convivem com o consumo do crack — é o que aponta o Observatório do Crack, um estudo feito pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM). Dentre as cidades que enfrentam as taxas mais altas de consumo da droga, estão lugares como Jaboatão dos Guararapes, Cabo de Santo Agostinho e Ipojuca, no Grande Recife.
Segundo reportagem do site G1, dentre as cidades que apresentam níveis preocupantes na questão das drogas também estão Vitória de Santo Antão e Ribeirão, na Zona da Mata, Pesqueira e Lajedo, no Agreste, e Serra Talhada, Ouricuri e Petrolândia, no Sertão do estado. No entanto, o levantamento, que foi feito a partir de dados fornecidos pelas prefeituras das cidades, não apresenta um panorama completo, uma vez que algumas gestões não enviaram os dados para a pesquisa – como o Recife, por exemplo.
O Observatório do Crack é um estudo realizado pela CNM anualmente, desde 2010. A instituição considera 5.568 municípios — no entanto, nem todos respondem à pesquisa. O levantamento é realizado a partir de um questionário online, respondido pela gestão de cada cidade, com dados descritivos. Tendo como ponto de partida questões sobre a problemática do crack e a rede de atenção existente em cada município, os gestores definem se o nível dos problemas causados pela circulação do crack é alto, médio ou baixo.
De acordo com a assistente social e consultora do Observatório da CNM, Rosângela Ribeiro, o estudo, que abrange todo o país, também aponta boas práticas. “Existem experiências de sucesso, como municípios na Paraíba transformaram cenas de uso [cracolândias] em unidades de acolhimento, aproveitaram aqueles espaços para revitalizar e trazer a comunidade para participar,  e isso é uma forma de prevenir, de envolver a sociedade no tratamento, na reinserção social”, comenta.
Ribeiro afirma ainda que, como a maioria dos municípios em situação crítica são de pequeno porte, a sugestão da CNM é investir nas ações de prevenção, com palestras, por exemplo. Ela também lembra que as ações de prevenção devem ser conjuntas entre vários setores. “A gente precisa de uma rede estruturada e integrada, o que significa ofertar tanto tratamento ambulatorial quanto internação, ações integradas em saúde, educação, assistência social e, principalmente, segurança pública”, completa.
Do Portal A10

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.