Blog Rômulo Lima

Mandante é oficial de Justiça do TJPE. Envolvidos vão responder por três crimes.
A Polícia Civil apresentou, na manhã desta segunda-feira (20), a conclusão do inquérito do quádruplo homicídio na cidade de Poção, no Agreste do Estado, ocorrido no último dia 6 de fevereiro. A investigação aponta para a avó paterna da criança, Bernadete de Lourdes Britto Siqueira Rocha, como a mandante do assassinato de três conselheiros tutelares e da avó materna da menina. Bernadete é oficiala do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE).
Segundo informações da Polícia Civil, a mulher, com a ajuda de seu advogado, José Vicente, entrou em contato com o detento Leandro José da Silva, apontado como o principal intermediador da chacina. Ele fez contato com os executores Orivaldo Godê de Oliveira, Égon Augusto Nunes de Oliveira, Ednaldo Afornso da Silva e Wellington Silvestre dos Santos, conhecido como "Chaves", único foragido até o momento. Com isso, dos sete suspeitos, seis foram presos. Eles vão responder por homicídio duplamente qualificado, emboscada e por agir conforme a um grupo de extermínio. A pena máxima é de 210 anos para cada um.
Segundo o gerente operacional do Interior I da Polícia Civil, Erick Lessa, o crime teria sido motivado por conflitos familiares e a disputa pela guarda da criança, uma menina de três anos, cujo nome não foi divulgado por questão de segurança. "No dia do crime, os alvos seriam o avô e a avó materna, além da tia. Como a tia encontrava-se em outro estado e o avô com dores no joelho, a avó materna, Ana Rita Venâncio, pediu ajuda aos conselho tutelar para buscar a criança na escola. Mesmo visualizando quem estava no carro, Bernadete ordenou a execução de todos, menos da neta", explicou.
Bernadete, inclusive, já respondia a um processo na comarca de Pesqueira, no Agreste, pelo homicídio de Jucy Venâncio de Brito, mãe da criança. Ela teria envenenada a própria nora . "Meses depois da morte dela (de Jucy), Bernadete começou a arquitetar o assassinato. Ela queria matar todos os parentes maternos da neta, que, para ela, representavam uma ameça", afirmou Lessa.
Por meio de nota, o TJPE explicou, no âmbito administrativo, as informações sobre o inquérito policial e o indiciamento da oficiala de justiça serão encaminhadas à Corregedoria Geral de Justiça e que “um Processo Administrativo Disciplinar será aberto e pode resultar na demissão da servidora”. Já judicialmente, “o Tribunal deverá aguardar que o Ministério Público de Pernambuco ingresse com uma ação, que tramitará em uma Vara Criminal”.
Prisões
Após o crime, Oriovaldo, Égon e Chaves fugiram para as regiões Norte e Nordeste, onde passaram por Pinheiro, no Maranhão, e foram passar o Carnaval na cidade de Pio XII, também no Maranhão. Depois do Carnaval, Chaves retornou para Pinheiro e Égon e Orivaldo seguiram para a cidade de Abaetetuba, no Pará. Lá, Égon foi capturado no último dia 28 de fevereiro. Já Chaves, que estava em Pinheiro, ao saber da prisão de Égon, fugiu.
Orivaldo, que é pai de Égon, foi preso em Serra Talhada no último dia 24 de março. Ednaldo foi preso em Belo Jardim, no último dia 7 de abril. Leandro da Silva, intermediador do crime, já se encontrava preso, cumprindo pena também por homicídio na cidade de Arcoverde. Ao todo, Bernadete iria pagar R$ 45 mil pelo crime, parcelado em duas vezes: R$ 25 mil após a execução e R$ 20 mil 15 dias após.
Folha de PE
M
N
A
M
O
N
A
M
N
A
M
O

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.