Blog Rômulo Lima

Suspeitos tinham objetivo de matar mãe e filha por vingança, afirma policial.
Outras quatro pessoas estavam na casa da família e foram executadas.
A chacina ocorrida em Sobral, no interior do Ceará, na semana passada, foi motivda por vingança, segundo informações da Polícia Militar divulgadas nesta segunda-feira (20). Seis pessoas foram assassinadas, cinco da mesma família, na zona rural de Sobral. Dois homens foram presos.
De acordo com a polícia, dois irmãos planejaram a execução de Maria de Jesus da Silva, de 53 anos e a filha Patrícia Farias da Silva, 30 anos, que já respondia por tráfico de drogas. Ainda conforme os policiais, Patrícia havia ordenado a execução Na noite do crime, terça-feira (14), outras quatro pessoas estavam na residência da família. Todas foram executadas.
Róger e Paizinho, que estão foragidos, convidaram outros dois homens para a exeucação do plano.
A polícia informou que faz menos de um mês que os dois presos deixaram a cadeira.
O crime
Na noite de terça-feira (14), três homens abordaram as vítimas na calçada de uma residência na localidade de Pau D'Arco, na zona rural da cidade de Sobral, e as forçaram a entrar. Quatro corpos foram encontrados na casa e outros dois, de duas mulheres, mãe e filha, estavam em um matagal às margens de uma rodovia que liga a cidade de Coreaú a Alcântaras, a 374 km de Fortaleza. De acordo com o delegado Júnior Vieira, que investiga o caso, uma das vítimas, Patrícia Farias da Silva, de 30 anos, respondia por tráfico de drogas. Cinco das seis vítimas eram da mesma família.
Avó, mãe e filha mortas
Das seis pessoas assassinadas, cinco moravam na mesma casa. Emily Farias, de 15 anos, o namorado e primo dela, Geovane Nascimento, além da mãe de Patrícia Farias da Silva, de 30 anos, a avó Maria de Jesus da Silva, de 53 anos, e Aureliano da Silva Ribeiro, 21 anos. A única vítima que não morava na casa era Benedito Gomes da Silva, de 39 anos. Ele era vizinho da família. "Tudo leva a crer que o vizinho, o Benedito, estava no momento errado, na hora errada", diz Vieira.
Para a polícia, o filho de Patrícia, de nove anos, escapou porque não estava em casa na hora do crime. A criança está com outros familiares. Com o antecedente criminal de Patrícia, os policiais investigam se haveria a comercialização de entorpecentes. Na perícia na casa onde aconteceu o crime, nada chamou atenção da polícia.
Do G1 CE

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.