Blog Rômulo Lima

O naufrágio do barco no domingo frente ao litoral da Líbia foi o incidente mais mortífero no Mediterrâneo já registrado.
O capitão da embarcação lotada com centenas de imigrantes e que naufragou no fim de semana foi designado pela procuradoria italiana como o único responsável pela tragédia, uma das piores já ocorrida o Mar Mediterrâneo.
Ainda abalados e exaustos, os sobreviventes deste novo desastre marítimo, que supostamente matou 800 pessoas, chegaram nesta terça à Sicília, ao mesmo tempo que dois traficantes de seres humanos que foram presos.
A responsabilidade do capitão do barco, um tunisiano de 27 anos, Mohammed Ali Malek, é inquestionável, segundo a procuradoria de Catânia, na Sicília, já que o homem provocou o naufrágio por ter sobrecarregado o barco e se mostrar sem condições de realizar manobras adequadas.
Esta catástrofe tem duas causas principais, segundo a justiça, em um comunicado.
"Por um lado, as manobras equivocadas decididas pelo comandante do barco que, em uma tentativa de abordar o cargueiro (que acudiu em socorro), provocou a colisão com esta embarcação maior", afirmou a fonte.
"Por outro lado, o excesso de passageiros do barco, que perdeu o equilíbrio por causa dessas manobras equivocadas e pelo deslocamento dos imigrantes a bordo", acrescentou.
O barco afundo por esses motivos, enfatiza o texto.
A procuradoria também destaca que o cargueiro português que tentou socorrer os imigrantes "não contribuiu em absoluto para o naufrágio".
O balanço oficial da tragédia é de 24 mortos e 28 sobrevientes, mas o número de desaparecidos soma cerca de 800 pessoas, entre elas crianças e mulheres, segundo organizações humanitárias internacionais.
Presos no porão
A justiça não confirmou esta cifra, mas calcula em 850 o número de imigrantes a bordo da embarcação, com base em relatos dos sobreviventes e estimativa da tripulação da embarcação portuguesa.
Somente 24 corpos foram recuperados e esse pequeno número de sobriventes é explicado pelo fato de que muitos imigrantes, em sua maioria mulheres e crianças, estavam presos no porão do barco.
A investigação prosseguirá para determinar o número de mortos, inclusive procedendo à recuperação dos restos da embarcação. O chefe de governo italiano, Matteo Renzi, aludiu a esta possibilidade para "dar uma sepultura decente às vítimas".
"Havia um pouco mais de 800 pessoas a bordo, entre elas crianças de 10, 12 anos. Havia sírios, eritreus, somalis... Saíram no sábado às 08h00 de Trípoli", segundo Carlota Sami, porta-voz na Itália do Alto Comisariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur).
O porta-voz da Acnur, Adrian Edwards, por sua vez, declarou o naufrágio do barco no domingo frente ao liberal da Líbia é "o incidente mais mortífero no Mediterrâneo já registrado".
Esta cifra foi confirmada por um porta-voz da Organização Internacional para as Migrações  (OIM), Flavio Di Giacomo.
A OIM informou ainda que mais de 1.750 imigrantes perderam a vida no Mediterrâneo no correr do ano, um número 30 vezes maior que no mesmo período de 2014.
"Com a mais recente contagem, a OIM calcula que o número de mortos desde o início de 2015 é atualmente 30 vezes superior ao de 2014 nesse mesmo período, quando foram assinalados 56 mortes de imigrantes no Mediterrâneo", declarou o porta-voz da OIM, Joel Millman, em Genebra.
"A OIM teme que o total de 3.279 mortes de imigrantes em 2014 seja superado este ano em algumas semanas, e possa alcançar os 30.000 até o final do ano, se nos basearmos no balanço atual", acresentou.
Segundo Edwards, apenas no mês de abril, foram 1.300 mortos, o que estabelece um trágico recorde de mortes.
Medidas da UE
Na véspera, a União Europeia convocou uma cúpula de chefes de Estado e de Governo e revelou um plano de ação para tentar dar respostas ao drama dos imigrantes no Mediterrâneo.
O plano de ação apresentado pela Comissão Europeia possui dez pontos, que incluem reforçar as operações de controle e resgate para responder à situação de crise migratória.
Este plano será apresentado na quinta-feira aos chefes de Estado e de governo da União Europeia durante a cúpula extraordinária, informou a Comissão em um comunicado.
"Não podemos continuar assim, não podemos aceitar que centenas de pessoas morram tentando atravessar o mar para chegar à Europa", afirmou o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, ao anunciar esta reunião extraordinária dos chefes de Estado e de governo.
A reunião foi pedida no domingo pelo chefe do Governo italiano, Matteo Renzi, com apoio de outros dirigentes, após o naufrágio no qual cerca de 800 pessoas morreram ao largo da costa líbia no domingo.
O plano apresentado também propõe a apreensão e destruição de embarcações utilizadas ??para transportar os migrantes, o reforço da cooperação entre as organizações europeias e um programa para deportação rápida dos candidatos à imigração não autorizados a permanecer na UE.
 Da AFP

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.