Blog Rômulo Lima

Você que assiste diariamente a novela, I Live Paraisópolis da Rede Globo, com certeza algo lhe chama atenção logo na abertura, composta  de elementos simples, estética minimalista e divertida, que encanta do primeiro ao último segundo.
E foi pensando em representar o amor que os moradores da comunidade que dá nome a novela sentem pelo lugar onde vivem é que o conceito da vinheta foi construído.
A partir de pequenas cenas que representam o universo da novela e da comunidade, a equipe de criação encomendou esculturas de metais e sucata ao artista plástico Antônio Ednaldo da Silva, o famoso Berbela, que vive em Paraisópolis, e costurou cuidadosamente o roteiro da abertura.
Nascido em 1964, vindo de Trindade, Pernambuco, Antônio Ednaldo da Silva, já viu muita coisa em Paraisópolis. Desde que chegou a comunidade, sua oficina mecânica é ponto de referência, afinal, quem não conhece as obras de arte e os famosos brinquedos do Berbela!
 
No início de 2001, o destino do Pernambucano começou a ser construído em uma das maiores comunidades de São Paulo, o local que acolheu e acolhe até hoje os sonhos e as obras deste grande artista.”Paraisópolis foi o melhor local que eu encontrei para trabalhar, onde eu consegui criar meus filhos e consegui alguma coisa na vida”, conta ele.
Berbela ganha a vida como mecânico e serralheiro, mas sempre se dedica às suas obras de arte, pelas quais ele é reconhecido no mundo inteiro. “A arte é uma coisa que eu gosto muito de fazer. Eu amo meu trabalho e aquelas peças que eram para ser jogadas fora , eu reaproveito, aqui eu não jogo nada fora”, diz Berbela.
Desde a criação da primeira obra de arte, Berbela não parou mais. Já criou helicópteros, câmeras, motocicletas, carros, pássaros, tanques de guerra, e tudo o que você puder imaginar. E haja imaginação, pois suas criações já ocupam vários cômodos de uma casa que ele utiliza somente para alojar suas obras, desde as paredes até o teto.
Seu objetivo não é só criar. Ele quer um espaço para poder ensinar crianças e adultos, e diz sentir-se emocionado só em pensar nisso, dizendo que seu sonho estará sendo realizado. “Uma oficina aqui para eu poder ensinar essas crianças seria uma oportunidade para elas, porque eu mesmo nunca estudei. Apesar de eu não saber ler e não ter estudado, têm muitos que sabem ler, mas não sabem fazer a metade do que eu faço, e eu teria a maior felicidade do mundo em ensinar”, diz ele.
Berbela não é conhecido apenas na comunidade, pois sua arte já alcançou o mundo. Ele conta com orgulho que já viu muitas pessoas elogiando seu trabalho. “Já teve gente que eu encontrei na rua falando bem de mim, o pessoal perguntava de onde eu era, e quando eu dizia ser de Paraisópolis, elas perguntavam se eu conhecia o rapaz das obras de arte, dizendo que admiravam meu trabalho”, se orgulha ele.
Há quem diga que Berbela é maluco, mas ele sonha em poder ensinar para outras pessoas aquilo que lhe dá mais orgulho: fazer arte. Para isso, a única coisa que falta é um espaço para que ele possa, além de expor suas obras, promover oficinas dentro da comunidade, “Eu quero fazer muitas coisas. Eu quero ser um artista, pois até agora eu não me sinto um. Só me sentirei um artista quando eu consegui fazer o que eu quero, fazer o meu helicóptero, fazer aquilo que eu quero, e no dia que eu fizer isso, aí eu digo que estou me sentindo um artista”, finaliza Berbela.
Reportagem: Portal do Araripe
Com informações da Agência Paraisópolis e Gshow

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.