Blog Rômulo Lima

Acionamento da bomba será feito pela presidente Dilma nesta sexta (21).
Comunidades devem receber água entre novembro e dezembro de 2015.
Membros do Ministério da Integração Nacional realizaram nesta quinta-feira (20), uma visita técnica na Estação de Bombeamento (EBI-1), do Eixo Norte do projeto de Integração do Rio São Francisco, em Cabrobó, no Sertão de Pernambuco. Na ocasião, foi feita uma explicação de como funcionará a primeira estação concluída neste trecho, que será acionada nesta sexta-feira (21), pela presidente Dilma Rousseff.
A apresentação foi feita pelo diretor do Departamento de Projetos Estratégicos do Ministério da Integração, Robson Botelho. De acordo com o diretor, nessa primeira etapa, a água seguirá em um canal por sete quilômetros até o reservatório de ‘Tucutú’ e 45,9 quilômetros até o segundo reservatório ‘Terra Nova’, localizados em Cabrobó. O investimento neste trecho foi de R$ 625,09 milhões.
A previsão é de que o reservatório de Tucutú esteja cheio em 39 dias. Após esta etapa, serão necessários mais 18 dias para encher o reservatório Terra Nova. Para que tudo ocorra dentro do previsto, a bomba deve operar diariamente por 16 horas, durante cinco dias por semana.
“A partir desta sexta-feira (21), a agua será liberada e assim que for chegando nos reservatórios, o que deve acontecer entre os meses de novembro e dezembro, as comunidades já podem ser abastecidas”, destacou Robson Botelho.
Somente este eixo possui três estações distribuídas ao longo de 260 quilômetros de extensão, segundo a programação do Ministério da Integração, até o final de 2015, todas estarão concluídas. Ao todo serão beneficiados 77.733 habitantes, em 12 comunidades quilombolas e 23 indígenas.
Ainda de acordo com informações do diretor do Departamentos de Projetos Estratégicos, um termo deve ser assinado também nesta sexta (21), para garantir o abastecimento em outras comunidades. “Será assinado um Termo de Compromisso com os governos dos estados de Pernambuco, Ceará e Paraíba para abastecer 325 comunidades”, disse Robson Botelho.
A agricultora Mônica Silva Jesus, de 26 anos, mora na localidade e enfrenta diariamente problemas com a falta de água, para ela, a transposição que era para ser sinônimo de esperança, também traz outra preocupação. “A situação aqui está terrível. Tem muito tempo que não chove. O pessoal não trabalha mais. E quem trabalha, é quem tem condições de plantar alguma coisa. Já ouvi falar muita coisa dessa obra, que vai para as pessoas que estão precisando, mas tenho para mim que essa é uma forma de terminar secando o rio. Tenho medo de secar essa perna de rio aqui”, explicou Mônica.
Transposição
O Projeto de Integração do Rio São Francisco deve garantir a segurança hídrica de R$ 12 milhões de pessoas, em 390 municípios nos Estados de Pernambuco, Ceará, Paraíba e Rio Grande do Norte. A obra, organizada em dois eixos de transferência, Norte e Leste, estava orçada inicialmente em R$ 4.5 bilhões e deveria ficar pronta em 2014. Mas, com o adiamento da obra, um novo prazo foi estipulado e o valor foi elevado para cerca de R$ 8,2 bilhões.
“Se as obras continuarem como estão, andando cerca de 1,2% ao mês, a previsão é de que o projeto seja concluído no final de 2016 ou no início de 2017”, argumentou Robson Botelho.
Taisa Alencar  
Do G1 Petrolina

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.