Blog Rômulo Lima

A TV Câmara, órgão de comunicação da Câmara dos Deputados, lança amanhã uma série de documentários com quatro episódios, de cerca de 30 minutos cada, sobre as consequências do desenvolvimento em comunidades e nos municípios de Pernambuco. O título é “Vulneráveis”. A série vai ao ar no sábado e nos próximos dias 12, 19 e 26, às 22h.
Longe de ser “chapa-branca”, o material mostra o contraste do que foram os recentes tempos de bonança econômica e as distorções sociais.
Confira a sinopse de cada um dos episódios da série da TV Câmara.
Sábado, 5 de setembro:
CALDEIRÃO DOS BOIS
Direção – Carol Vergolino, Getsemane Silva e Nath Gomes
Comunidade remota de 70 casas cravadas ao pé do Morro da Torre, em Flores, Sertão do Pajeú, teve sua rotina drasticamente modificada quando foi cortada ao meio pelos trilhos da Ferrovia Transnordestina. Para alguns trouxe emprego, em outros gerou revolta. O terceiro episódio da série mostra a nova realidade de Caldeirão dos Bois e o que os trilhos deixaram ou tomaram de seus moradores.
Sábado, 12 de setembro:
MATA NORTE
Direção – Tuca Siqueira
A fábrica da Fiat trouxe a promessa de desenvolvimento sem precedentes para o município do Goiana, a Zona da Mata Norte pernambucana. O segundo episódio da série confronta a tradição do folclore indígena local com o novo processo de industrialização. O futuro veio mesmo para redimir os goianenses ou trouxe uma nova roupagem para a velha exploração?
Sábado, 19 de setembro:
CANAVIEIROS
Direção – Dea Ferraz
O protagonista do primeiro episódio da série é a sede do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Ipojuca. Em contraste com a agitação solar do porto de Suape, o ambiente escuro e denso do sindicato guarda os resquícios de uma atividade em decadência, o corte da cana. A vida precária e incerta dos canavieiros resiste aos ventos da modernização.
Sábado, 26 de setembro:
DIA DE PAGAMENTO 
Direção – Fabiana Moraes
Às margens dos canais de concreto ainda sem água da Transposição do Rio São Francisco, comunidades inteiras vivem em função das obras. Em Rio da Barra, Sertânia, elas interferem na renda, na educação e nos costumes locais. Cresce o poder aquisitivo, cresce a prostituição e o consumo de álcool. O quarto episódio da série vai abordar o preço a ser pago pelo sertanejo para ver sair do papel o projeto idealizado ainda nos tempos de Dom Pedro II.
Por Giovanni Sandes
JC PINGA FOGO 

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.