Blog Rômulo Lima

Conheça a história do “Deputado da Irrigação”.
Osvaldo Coelho deixou mulher e seis filhos.
Morreu na noite do domingo (1º), o ex-deputado Osvaldo Coelho após um ataque cardíaco na sua casa em Recife, capital pernambucana. O ex-deputado, formado em Direito, nasceu em 24 de Agosto de 1931, e dedicou mais de 40 anos de sua vida à política em defesa do sertanejo.
O corpo de Osvaldo Coelho chega às 8h30 e será velado na Biblioteca da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf) nesta segunda (2).
Trajetória
O ex-deputado, Osvaldo de Souza Coelho, tinha 84 anos e fez uma extensa carreira na política em Petrolina, no Sertão pernambucano, mas teve feitos que refletiram em todo o estado e até mesmo pelo Brasil. Filho de Clementino de Souza Coelho, o “Coronel Quelê”, e dona Josefa, Osvaldo Coelho foi um dos grandes nomes defensores da irrigação e da educação para o Vale do São Francisco. Foram mais de 40 anos da sua trajetória dedicados às políticas pelo Nordeste para desenvolvimento do Semiárido.
Em Petrolina, foi de Osvaldo Coelho a luta pela implantação do Projeto de Irrigação Senador Nilo Coelho, que transformou o cenário local em uma das maiores potências na fruticultura irrigada do país. A produção em larga escala de frutas, como manga e uva, fez do Vale do São Francisco um local atrativo para grandes investidores.
A implantação da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), que tornou a região um pólo na educação, também teve influência do, então, deputado. Além disso, Osvaldo Coelho foi responsável pela criação da Escola Técnica e Agrotécnica em Petrolina. Somente na Assembleia Legislativa, Osvaldo Coelho foi eleito três vezes. Em outras oito atuou na Câmara dos Deputados.

Conhecido como o “Deputado da Irrigação”, Osvaldo Coelho era visto como a “Força do Sertão”, justamente por priorizar o homem sertanejo nos projetos de desenvolvimento. Em um dos artigos, que frequentemente publicava, Osvaldo Coelho finalizou com a frase “Espero que as pessoas lembrem de mim como aquele que fez de tudo para fortalecer os mais fracos”. Esta ideia resume sua trajetória, com uma política que tinha como propósito, dar dignidade àqueles que muito precisavam, os sertanejos atingidos pelo fenômeno da seca, assim como ele mesmo ainda na década de 1930, em que presenciou um cenário cruel de retirantes.
Osvaldo Coelho tinha na família o seu principal berço para a política. Assim como ele, os irmãos também fizeram história em Pernambuco e ganharam destaque. Nilo Coelho foi eleito governador do estado após o Golpe Militar de 1964. Augusto Coelho foi prefeito de Petrolina e Geraldo Coelho foi deputado em Pernambuco.
Em janeiro deste ano, Osvaldo Coelho deixou a vida pública. Ele integrava o Partido Democratas (DEM-PE). Osvaldo Coelho era casado com Ana Maria Coelho e deixa seis filhos, entre eles Guilherme Coelho, ex-prefeito de Petrolina, Patrícia Coelho, diretora da TV Grande Rio, e Ana Amélia Lemos, diretora da Rádio Grande Rio FM, ambas do Sistema Grande Rio de Comunicação.
Amanda Franco  
Do G1 Petrolina

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.