Blog Rômulo Lima

Dezessete dias depois de uma rápida passagem pelo estado, quando se reuniu com o governador Paulo Câmara e prefeitos e lançou o Plano de Enfrentamento à Microcefalia, a presidente Dilma Rousseff volta a Pernambuco.
Desta vez, irá a Floresta, no Sertão, na próxima terça-feira (22), quando observará obras da transposição do Rio São Francisco. A previsão é que ela inaugure a segunda estação de bombeamento da transposição do Rio São Francisco, às 15h.

A ocasião reunirá governadores dos estados beneficiados pela obra como Pernambuco, Paraíba e Ceará, além dos prefeitos das cidades circunvizinhas, sendo que Rorró Maniçoba será a Prefeita anfitriã. A etapa vai garantir água nas barragens do município de Floresta como Areias, Baraúnas, Muquém, Mandantes e Salgueiro.

O empreendimento foi alvo de uma ação da Polícia Federal, semana passada, que desbaratou um esquema de corrupção no lote dois da obra, envolvendo o consórcio formado pelas empresas OAS/Galvão/Barbosa Melo/Coesa, que recebeu R$ 680 milhões pelo trabalho.

De acordo com os investigadores, os empresários utilizaram empresas de fachada para desviar cerca de R$ 200 milhões recebidos através do Ministério da Integração Nacional.

Apoio 
Nesta quinta, Dilma recebeu o apoio de representantes de movimentos sociais, intelectuais e artistas que são contra o impeachment, mas teve de ouvir deles críticas à condução da política econômica.

O grupo de cerca de 60 pessoas faz parte da chamada Frente Brasil Popular e foi um dos responsáveis por organizar as manifestações de rua que se espalharam por todo o Brasil na Quarta-feira. “Nós somos contra o golpe e a favor da democracia”, disse o líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), João Pedro Stédile.

Na sequência, porém, ele emendou: “Mas, ao mesmo tempo, viemos dizer que nós defendemos todos os direitos dos trabalhadores e somos contra qualquer política de ajuste fiscal do governo. Por isso, criticamos o governo naquelas medidas que já foram tomadas pelo Ministério da Fazenda, como corte do seguro desemprego e da ajuda aos pescadores”.

O grupo cobrou “medidas concretas” para que o país possa voltar a crescer. Questionados se a presidente havia dado algum sinal de que estava disposta a atender o pleito ou havia mencionado uma eventual substituição do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, eles desconversaram.

Por
Blog de Jamildo 

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.