Blog Rômulo Lima

O policial, que cursa Filosofia na universidade, discutiu com outros estudantes após divulgação de um sarau do movimento estudantil.
Um vídeo registrou parte do desentendimento e o momento em que ele chuta uma jovemUm policial militar reformado, estudante do curso de Filosofia da Universidade Federal do Cariri (UFCA), foi detido na noite dessa quarta-feira, 9, suspeito de agredir outros dois universitários dentro do campus. A agressão foi registrada após divulgação de um sarau literário, que era parte das atividades de ocupação do movimento estudantil contra a PEC 55 e outras questões relacionadas à educação.

O caso foi registrado por volta das 20 horas, depois que o estudante identificado como Enrique Bruno, também do curso de Filosofia, foi falar sobre o sarau literário em uma aula de Filosofia Política. O PM reformado, que estava na aula, falou com o rapaz no corredor do local e houve uma discussão, que se estendeu à aluna de Jornalismo, Bárbara Castro, 19.

Segundo Bárbara, o PM questionou se "brancos" poderiam participar da ocupação. "Ele disse que poderiam, que a ocupação incluía todos, inclusive gays. Ele interpretou que estava sendo chamado de v**** e atacou", relata.

Estudantes contaram que Enrique foi atingido com dois tapas pelo PM, que ameaçou prender Bárbara e foi xingado de ‘policial de m****’, chutando a jovem em seguida. Parte da discussão foi gravada:

Antes do chute, Bárbara explica que houve uma discussão envolvendo uma amiga dela da UFCA. "Minha amiga falou 'como você faz um atrocidade dessa?' [depois da suposta agressão contra Enrique]. Ele respondeu 'cala boca, sua v****'. Eu também falei e ele ficou 'cala boca, feminista'. Eu disse que não ia perder meu tempo, mas ele ficou perto de mim dizendo 'essa v**** não sabe quem eu sou'. Eu me sentei em ato de protesto, e ele chutou meu queixo", narra.

Em nota, a UFCA informou que a estudante agredida foi acompanhada, registrou um Boletim de Ocorrência e fez exame de corpo de delito. A universidade disse que será instaurado contra o aluno suspeito ''um Processo Administrativo Disciplinar (PAD) para apurar e aplicar penalidades cabíveis'', com prazo de 60 dias, que podem ser prorrogados por mais 30 (de acordo com o Regimento da Universidade Federal do Ceará, que rege a UFCA).

A assessoria de comunicação da UFCA explicou que um ofício foi enviado ao Batalhão (2º BPM), com as imagens da agressão anexadas em CD. Também foi solicitado o reforço policial e dos seguranças da UFCA nas redondezas do campus.

O PM reformado foi levado até a Delegacia do Crato, pois a de Juazeiro não é plantonista. Um inquérito foi instaurado pela delegada Patrícia Sena, e após assinar Termo Circunstanciado de Ocorrência, o suspeito foi liberado. 

Bárbara criticou o fato do PM ter sido liberado e espera que ele seja afastado da universidade por tempo indeterminado. ''Ele saiu rindo, debochando. Espero que a justiça seja feita contra essas práticas machistas, homofóbicas e preconceituosas", frisou. 

As ligações para o PM reformado foram direcionadas para a caixa postal, na tarde desta quinta-feira, 10. O POVO Online opta por não divulgar o nome dele porque não houve prisão em flagrante. 

Fonte: POVO Online

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.